“Os Maias” de Eça de Queirós Já Não São Leitura Obrigatória Educação

“Os Maias” de Eça de Queirós Já Não São Leitura Obrigatória

O novo ano letivo que se aproxima traz novidades: os alunos vão ter a oportunidade de escolher, em conjunto com o professor de português, qual o livro de Eça de Queirós que vão ler. Podem, portanto, escolher um qualquer romance do escritor português.

A notícia é avançada pelo Jornal Público refere ainda que esta oportunidade de escolha é alargada a obras de outros escritores, como Almeida Garrett, Camilo Castelo Branco, Antero de Quental ou Cesário Verde.

Mas o programa de Português não é o único a mudar. Também o de História A vai ter várias alterações. Por exemplo, este não contempla a dimensão cultural da idade Média (arte gótica, universidades, ordens medicantes). No entanto, ao Público a professora de História Elisabete Jesus diz que vai ser proposto aos alunos que estes trabalhem sobre a produção artística em Portugal, a partir do estilo gótico-manuelino.

A medida está prevista nas Aprendizagens Essenciais, que vêm substituir as metas curriculares. Este documento está em consulta pública na página da Direção-Geral da Educação. O Ministério da Educação esclarece que pretende corresponder às dificuldades que existem devido à extensão dos currículos das disciplinas. De referir ainda que as aprendizagens essenciais foram elaboradas por associações de professores.